segunda-feira, março 22

FlashFoward... way better than Lost!

Que Lost que nada. O negócio é FlashFoward. A maioria de vocês já devem ter visto, certamente, mas ainda assim, acredito que vale a pena fazer uma resenha desse seriado maravilhoso que a AXN exibe.

FlashForward é uma série de ficção científica do canal estadunidense ABC, baseada em um romance original do Canadá escrito por Robert J. Sawyer. Com o final de Lost em 2010, os estudios da ABC esperam que seja o grande seriado que irá de fato prender as pessoas.

A História

Um misterioso evento global faz com que todos ao redor do mundo desmaiem simultaneamente por 2 minutos e 17 segundos e cada pessoa enxerga um relance das suas vidas seis meses no futuro a partir daquele momento. Quando todos acordam ficam surpresos com o que aconteceu. Estes "flashforwards" duraram somente dois minutos, mas quando aconteceram muitos morreram em acidentes envolvendo veiculos, aviões, e outros dispositivos que necessitavam de controle humano.

Um agente do FBI que reside em Los Angeles, Mark Benford (interpretado por Joseph Fiennes) tenta descobrir o que exatamente aconteceu e por que aconteceu. Ele cria um banco de dados interpretando os flashforwards das pessoas ao redor do mundo tentando resolver esse misterio.

Para entender melhor, acesse o site deles.

Abaixo, algumas cenas para apaixonar:

http://www.youtube.com/watch?v=2UH6VAN-O84

http://www.youtube.com/watch?v=25kXHgWg938

sexta-feira, março 5

Acesso à cultura


Sempre ouvi papos de pessoas que reclamavam por não terem condições de ir à cinemas, festas, exposições, palestras e cursos em São Paulo por que não tinham dinheiro para isso. Em alguns casos eu cheguei a concordar, mas hoje vejo que esse argumento não tem mais cabimento algum.

O site www.catracalivre.com.br apresenta diversas opções de entretenimento e cultura a preços populares. Na agenda no site, o valor mais caro para as apresentações é R$12,00. Na editoria "Achado", colocam eventos pouco mais caros, mas que ainda assim valem a pena serem vistos.

O próprio site promove um evento cuja intenção principal é fazer interação público-artistas, dando a oportunidade também de provar sensações sinestésicas.

Vale conferir a programação do site para ter acesso a maiores opções de eventos!

Até!

quarta-feira, março 3

Os cinco últimos ganhadores do Oscar

Primeiramente, devo esclarecer aos leitores (muitos eu nem sabia que tinha) que o motivo do sumiço se deve ao fato de eu ser uma universitária que precisa correr atrás do pé de meia. Devido a grande loucura na qual minha vida está incluída, meu tempo que antes era ocioso, agora é a mais pura correria. A impressão que dá é que todo dia eu tenho um roteiro tarantinesco para desenvolver em um curta-metragem.

Voltando... Já que estamos nos aproximando da grande premiação do Oscar, resolvi fazer uma passagem rápida pelos 5 últimos ganhadores do prêmio máximo para relembrarmos o histórico dos prêmios:

2004. "Menina de Ouro", Clint Eastwood

O diretor dispensa comentários. Dono de uma filmografia impecável tanto como diretor quanto como ator, Clint nos dá um drama de cair o queixo. Hillary Swank é Maggie que sempre teve pouco da vida, mas que ao contrário de muitos, sabe bem o que quer e tem a determinação necessária para o alcançar.

Curiosidades:

* O filme também ganhou Melhor Diretor, Melhor Atriz e Melhor ator coadjuvante.
*O título em inglês é "Million Dollar Baby"
* "Menina de Ouro" foi o 25º filme dirigido por Clint Eastwood, o 57º filme em que ele atuou e o 21º que ele produziu.
* Sandra Bullock foi a primeira atriz cogitada para o papel de "Maggie".

2005. "Crash - No Limite
", Paul Haggis

O diretor canadense Paul Haggis conseguiu juntar um elenco estelar para contar a saga das relações interpessoais e interraciais na cidade de Los Angeles. Sandra Bullock, Brendan Fraser, Michael Pena e Terrence Howard fazem parte desse filme que foi responsável por mostrar ao mundo a verdadeira face dos Estados Unidos pós 11/09.
Preconceito, diversidade etnica, pobreza e crime compõe o emaranhado roteiro que, no fim das contas, mostra como o humano se sente amedrontado, principalmente, por si mesmo.

Curiosidades:

*Levou 3 Oscar, incluindo o de Melhor Filme (Roteiro Original e Edição).
*No mesmo ano concorreram: "O segredo de Brokeback Mountain", "Capote", "Boa noite, e boa sorte" e "Munique".

2006. "Os Infiltrados" - Martin Scorsese

Tem muita gente que não gosta do cara, acha ele pouco criativo, às vezes preguiçoso em desenvolver um roteiro interessante, mas para mim, Martin Scorsese é simplesmente genial. Em "Os Infiltrados" temos o bonzinho Leo DiCaprio como o policial honesto infiltrado na supermáfia, enquanto o bad boy Matt Damon é um bandido superperigoso infiltrado na polícia para facilitar o andamento de seus crimes. E no meio disso tudo temos o genial Jack Nicholson como o chefão da máfia que tenta de todas as formas manipular tudo ao se redor. O filme é genial e mereceu o Oscar no ano em que concorreu.

Curiosidades:

*Ganhou 4 Oscar (Melhor Filme, Melhor Direção, Roteiro Adaptado e Melhor Montagem)
*Teve um faturamento de US$ 289,847,354 no mundo todo.
*No mesmo ano concorreu com: "Babel", "Cartas de Iwo Jima", "Uma família à beira de um ataque de nervos" e "A rainha".

2007. "Onde os Fracos Não Têm Vez", Ethan e Joel Cohen

Esse foi um filme que vi sozinha no cinema numa tarde de sexta ao sair do serviço com um tédio sem fim. Sim, fazia isso com frequencia, e mesmo sem saber que o fime dos Cohen poderia ser candidato ao Oscar, resolvi assisti-lo pelo nome maravilhoso. Um dos mais criativo que já vi. O nome pouco tem a ver com o filme, tanto literal quanto hipoteticamente falando; achei fraco. Mas no Oscar os fracos também não têm vez e o filme ganhou a estatueta da noite. Até hoje não entendi o porquê. Naquele ano tinha filmes lindíssimos participando ("Sangue Negro" e "Desejo e reparação", por exemplo). Mas os Cohen levaram.

Curiosidades:

*Disputou com "Desejo e reparação" "Juno" "Conduta de risco" e "Sangue negro"
* O filme foi baseado no românce homônimo de Cormac McCarthy.
*Naquele ano ganhou também com Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Roteiro Adaptado.

2008. "Quem Quer Ser Um Milionário", Danny Boyle

E o tal do Bollywood pede passagem para esse furacão das críticas. Mesmo sendo britânico, o filme abriu os olhos para a India, atualmente uma das mais competentes produtoras cinematográficas do mundo. Com uma história comovente, atores pouco famosos e um diretor que gera muitos "Quem?!" "Quem Quer Ser um Milionário" agradou ao grande público, gerou polêmicas e mostrou uma história bonita de ser contada.

Curiosidades:

* Naquele mesmo ano, mostrou para que vinha levando também os prêmios de Melhor Diretor, Roteiro Adaptado, Fotografia, Edição, Trilha Sonora Original, Canção Original e Mixagem de Som.
* O filme é baseado no livro "Q and A", lançado em 2005, do escritor Vikas Swarup.

segunda-feira, março 1

Infelizmente...

...eu perdi totalmente o tesão de postar nesse blog.


Grata,


A gerência!

sexta-feira, fevereiro 12

The Mirror and The Movie

Acho que todos já pararam para reparar em como o cinema usa espelhos para assustar as pessoas. Ou até mesmo para gerar aquele suspense que todo mundo gosta.

Por essas e outras que fizeram uma supermontagem com cenas clássicas nas quais o espelho era o ator principal:


video

terça-feira, fevereiro 2

OSCAR 2010

Acho que a grande maioria das pessoas já viram a lista de concorrentes aos prêmios Oscar que a Academia liberou, certo? Depois do Globo de Ouro desse ano, acho que não teremos grandes surpresas, mas ainda assim, farei um post com o que eu acharia justo sobre essa premiação:

Melhor Filme

''Avatar''
"The Blind Side''
"Distrito 9"
"Educação"
"Guerra ao Terror"
"Bastardos Inglórios"
"Preciosa"
"A Serious Man"
"Amor sem Escalas"
"Up - Altas Aventuras''

Ok, ok... Todo mundo vai achar que é puxasaquismo. Mas não é. Enquanto todos os olhos estão voltados para "Avatar" por sua estória 3D, Tarantino teve um dos melhores roteiros do ano, com atuações fortes e competentes, uma arte de se tirar o chapéu e a direção Tarantinesca que todos conhecemos. Se para ser bom, o filme tem de ser em 3D, então qualquer outra produção que já levou o prêmio deve ser desconsiderada?

Melhor Diretor

Kathryn Bigelow ("Guerra ao Terror")
James Cameron ("Avatar")
Jason Reitman ("Amor Sem Escalas")
Quentin Tarantino ("Bastardos Inglórios")
Lee Daniels ("Preciosa")

Agora sim. Foi ousado criar um filme milionário como "Avatar" e ser o homem de frente a levar os tapas na cara, ou os tapinhas nas costas. Cameron já nos provou que é perfeitamente capaz de ser o manda-chuva de grandes produções. Mais uma responsabilidade que ele soube domar direitinho.

Melhor Ator

Jeff Bridges ("Coração Louco")
Morgan Freeman ("Invictus")
Jeremy Renner ("Guerra ao Terror")
George Clooney ("Amor Sem Escalas")
Colin Firth ("A Single Man")

Ser Nelson Mandela não é fácil. Um homem amado com uma das histórias mais ricas da História, não poderia ser interpretado por mais ninguém.

Melhor Ariz

Sandra Bullock ("Um Sonho Possível")
Meryl Streep ("Julie & Julia")
Carey Mulligan ("Educação")
Helen Mirren ("The Last Station")
Gaboury Sidibe ("Preciosa")

Não vi o filme. Mas tenho certeza que ela vai ganhar. Ela sempre ganha!

Melhor Ator Coadjuvante

Christoph Waltz ("Bastardos Inglórios")
Woody Harrelson ("O Mensageiro")
Matt Damon ("Invictus")
Stanley Tucci ("Um Olhar do Paraíso")
Christopher Plummer ("The Last Station")

Entra na mesma ótica de Morgan Freeman. O filme é forte e suplicava por atores tão fortes quanto ele. Acredito que a missão foi cumprida.

Melhor Atriz Coadjuvante

Mo’Nique ("Preciosa")
Anna Kendrick ("Amor Sem Escalas")
Vera Farmiga ("Amor Sem Escalas")
Maggie Gyllenhaal ("Coração Louco")
Penelope Cruz ("Nine")

Torço pela Penelope. Não sei dizer se ela realmente sairá vencedora, mas acredito que pela beleza do filme e pelo desafio de se fazer um musical, podemos esperar essa surpresa.

Melhor Roteiro Original

Quentin Tarantino ("Bastardos Inglórios")
Mark Boal ("Guerra ao Terror")
Joel e Ethan Coen ("Um Homem Sério")
Alessandro Camon e Oren Moveman (''O Mensageiro")
Bob Peterson e Pete Docter ("Up - Altas Aventuras")

Não tenho nem dúvidas sobre esse. Eu tenho certeza de que o Tarantino ganhará essa. Ele é um dos melhores roteiristas que o cinema já viu e provou isso com Pulp Fiction e provará novamente em Bastardos Inglórios!

Melhor Roteiro Adaptado

Jason Reitman e Sheldon Turner ("Amor Sem Escalas")
Neill Blomkamp ("Distrito 9")
Nick Hornby ("Educação")
Geoffrey Fletcher ("Preciosa")
Jesse Armstrong, Samon Blackwell, Armando Iannucci e Tony Roche ("In the Loop")

Ouvi falarem muito bem desse filme. Eu não assisti. Tenho praticamente certeza que esse leva, mas não tenho como falar o porquê.

Melhor Animação

"Coraline e o Mundo Secreto"
"O Fantástico Sr. Raposo"
"A Princesa e o Sapo"
"The Secret of Kells"
"Up - Altas Aventuras"

Alguém tem alguma dúvida? Eu preciso dizer o porquê?

Melhor Direção de Arte

Rick Carter, Robert Stromberg, Kim Sinclair ("Avatar")
Dave Warren, Anastasia Masaro, Caroline Smith ("O Mundo Imáginário do Dr. Parnassus")
John Myhre, Gordon Sim ("Nine")
Sarah Greenwood, Katie Spencer ("Sherlock Holmes")
Patrice Vermette, Maggie Gray ("The Young Victoria")

Embora eu tenha praticamente certeza de que Avatar leva essa, eu torço com toda a minha força para "Sherlock Holmes". A arte desse filme é uma das coisas mais bonitas que vi esse ano.

Melhor Fotografia

Mauro Fiore ("Avatar")
Bruno Delbonnel ("Harry Potter e o Enigma do Príncipe")
Barry Ackroyd ("Guerra ao Terror")
Robert Richardson ("Bastardos inglórios")
Christian berger ("A Fita Branca")

Não tem muito como competir. A fotografia de "Bastardos Inglórios" é linda, mas a de Avatar é inovadora. Se a academia souber julgar, dará o prêmio para Avatar sem pensar duas vezes.

Melhor Figurino

Janet Patterson ("Bright Star")
Catherine Leterrier ("Coco Antes de Chanel")
Monique Prudhomme ("O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus")
Colleen Atwood ("Nine")
Sandy Powell ("The Young Victoria")

Simplesmente lindo!

Melhor Trilha Original

James Horner ("Avatar")
Alexandre Desplat ("O Fantástico Sr. Raposo")
Marco Beltrami e Buck Sanders ("Guerra ao Terror")
Hans Zimmer ("Sherlock Holmes")
Michael Giacchino ("Up - Altas Aventuras")

Hans Zimmer é um dos melhores compositores de trilha sonora que existe. Sherlock Holmes se une a Piratas do Caribe e Batman, além de Gladiador na lista de filmes que esse mestre orquestrou. Simplesmente o melhor!


Sinceramente, sobre as outras categorias, eu não posso opinar. Os documentários eu não vi e realmente não sei julgar mixagem de som, mas se alguém tiver alguma opinião a respeito, estarei esperando.

OBS* Essa é a minha opinião, claro! :)

segunda-feira, fevereiro 1

Cinema Clássico

Posso me considerar uma apreciadora do cinema clássico. Muito menos do que deveria ser, certamente, mas ainda assim choro quando vejo uma obra no black and white, dirigido por alguém que, possivelmente, já está morto. Mas nunca havia dado o devido respeito às obras clássicas que estampam minhas prateleiras. Portanto, seguindo o padrão estabelecido das listas que agradam a todos, colocarei aqui os meus preferidos, daqueles que gastei mais do que devia para comprar:


Oito
½, 1963 - Federico Fellini


Falei sobre ele há pouco tempo, e isso já mostra a importância que esse filme tem para mim. Federico Fellini é, para a grande parte dos cinéfilos, um dos maiores gênios que a Europa já produziu. Ter a oportunidade de ver uma crise de criatividade e inspiração de um gênio que, aparentemente, nunca teria um problema desses é simplesmente one in a lifetime.

O título do filme é uma referência à carreira do próprio diretor, que até então já havia dirigido seis longa-metragens, dois episódios de filme e havia co-dirigido um longa-metragem.

Grande parte das cenas do filme foi tirada de sonhos que o cineasta teve, e todo o roteiro é autobiográfico. Fellini assumiu uma crise em sua carreira, justamente quando dirigiu seu melhor filme.

Marcelo Mastroianni ficou incumbido de ser “Fellini” das telas. E o fez com maestria.

Ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Figurino.

Sunset Boulevard, 1950 – Billy Wilder

Noir ou não noir? Eis a questão que Sunset Boulevard consegue responder com todo o charme possível. Gloria Swanson é Norma Desmond, uma atriz de cinema mudo decadente que, vendo sua carreira indo por água abaixo, conhece Joe Gillis (William Holden) um roteirista de segunda que fica responsável em fazer um filme que leve Norma de volta ao seu tempo de ouro.

O filme foi indicado a treze prêmios da Academia. Recebeu três – Melhor Direção de Arte, Melhor Roteiro e Melhor Trilha Sonora. Recebeu a indicação para Melhor Filme, perdendo para “All About Eve”.

Citizen Kane, 1941 – Orson Welles


Outro filme que já ocupou alguns espaços aqui, mas que nunca terá uma resenha completa. Certamente o filme mais polêmico sobre a indústria da imprensa, Orson foi genial ao fazer o filme baseado na vida do jornalista William Randolph Hearst, embora Wells nunca tenha assumido isso.

O filme é considerado pela maioria dos críticos de cinema como o maior filme já feito e ocupa o primeiro lugar na lista da American Film Institute.

Mudou a história do cinema, criou novas técnicas de filmagem contando a história de um protagonista já morto, e mostra pela primeira vez o teto dos ambientes, mudando o conceito cenográfico de Hollywood.

Orson nunca mais foi o mesmo depois de Citizen Kane.


12 Angry Men – 1957 – Sidney Lumet


Henry Fonda provando, mais uma vez, que a família Fonda tem o “porquê” no cinema. 12 Angry Men conta a história de doze jurados que têm o destino de um porto riquenho em suas mãos. Acusado de matar o próprio pai, o jovem depende de doze homens diferentes e com personalidades totalmente opostas para que não seja mandado para a prisão.

Enquanto estão reunidos tentando definir o que acontecerá com o jovem, apenas um está convencido que o mesmo é inocente - o jurado número 8, Davis, Fonda.

Não recebeu nenhum Oscar, embora tenha sido indicado em três categorias: Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original e Melhor Filme, perdendo para “A Ponte do Rio Kwai”.


O Sétimo Selo, 1956 – Ingmar Bergman


Morto há pouco tempo, Bergman foi, certamente, um dos melhores cineastas do mundo. É considerado um gênio por cineastas como Jean- Luc Godard e Michelangelo Antonioni. O Sétimo Selo é a prova maior de sua genialidade. É clássico, é marcante e é emblemático.

O filme é ambientado durante a Idade Média. Prestes a morrer, um cavaleiro recém voltado das Cruzadas, pretende negociar sua vida com a Morte ao desafiá-la a uma partida de xadrez.

No filme, todos os aspectos da religiosidade são questionados, porém nunca é dada nenhuma resposta sobre sua veracidade. Isso é o mais genial sobre esse filme. Tudo parece um sonho.

quinta-feira, janeiro 28

No espaço!

Hoje completa 24 anos de uma das maiores tragédias que os americanos já tiveram que enfrentar. O ônibus espacial Challenger explode durante a decolagem, matando os sete tripulantes que incluia uma professora, escolhida pela NASA em um projeto que durou mais de um ano. Em um dia frio no Cabo Canaveral, milhares de pessoas presenciaram aquilo que seria o estopim para recriar toda a corrida espacial americana.

O acidente causou grande comoção em toda a comunidade internacional e levantou discussões a respeito da integridade dos equipamentos e peças usadas nos equipamentos americanos.

A única discussão que levantaremos aqui é quais filmes espaciais mais marcaram a minha vida.

Lá vai:

2001: A Space Odyssey, 1968 (Stanley Kubrick)


É considerado, por muitos, o melhor filme de ficção científca. Eu não acho. Para mim é apenas o mais clássico, e por isso entra em primeiro na minha lista. Deixando a hipocrisia de lado, é um pouco cansativo, tem 2h20 de filmes e desse montante, apenas 40 minutos contém diálogos. Isso pode parecer neura de quem é fã de Tarantino mas, na boa, um pouco mais de "fala" não prejudicaria ninguém. O principal personagem do filme é um computador (HAL 9000). HAL se torna um "assassino" ao tentar executar todos os tripulantes da nave cujo destino era Júpiter, onde iriam investigar sinais que, aparentemente, interferiam na Terra. Vence pelos efeitos especiais e a trilha sonora conhecidíssima, mas ainda assim é apenas o mais clássico.

E.T - O Extraterrestre, 1982 (Steven Spielberg)


Tão bonitinha ver a Drew Barrymore pequnininha, sem ter se drogado tampouco atuado em As Panteras. E.T é a coisinha mais fofinha que o cinema já produziu. Nesse filme o Serviço Secreto é o vilão, e o pequeno Elliot deve proteger E.T de todo o mal, amém.
Cheio de cenas clássicas, E.T não é apenas um filme de ficção científica ou eventos extraterrestres, é um dos primeiros clássicos infantis e também responsável por mostrar ao mundo dois atores de muito talento. Drew Barrymore e Henry Thomas, que futuramente faria "Gangs of New York" com DiCaprio. O filme levou Oscar, Globo de Ouro, Grammy e tudo o que surgia pela frente.

Independence Day, 1996 (Roland Emmerich)


Clássico de qualquer infância. Muito difícil alguém que nunca tenha assistido esse filme em qualquer Sessão da Tarde por aí. Bill Pulman e Will Smith (novamente) dão o ar da graça em outro filme no qual "mais uma vez o dia foi salvo graças à Meninas Super Poderosas" aka USA.
Independence Day é praticamente todo baseado na Área 51 e o incidente em Roswell. Washington novamente está em apuros e a Força Aérea Americana é chamada para combater um imenso disco-voador que ameaça dominar a Terra. O herói é Will Smith (Capitão Steve), que muito provavelmente depois disso foi contratado pela "Men in Black Corp."

MIB - Men in Black, 1997 (Barry Sonnelfeld)


Agora sim estamos entrando na minha lista de favoritos, que não ousarei colocar em ordem. MIB marca toda uma geração de filmes "pastelões". É engraçado, é interessante, é criativo e é original. Não tem essa de ir para o espaço. Os ETs estão aqui, andando do nosso lado, trabalhando nos correios, saindo do esgoto. Mais um filme baseado em quadrinhos, reforçando a minha tese de que os roteiros mais elaborados vêm de estórias pré contadas em HQs. O agente K (Tommy Lee Jones) é um dos fundadores da organização secreta MIB - Homens de Preto, criada pelo governo para investigar as atividades alienígenas na Terra. Recém-contratado para trabalhar na tal entidade, o ex-policial J (Will Smith) se une a K para desvendar os mistérios de um possível ataque extraterrestre. Genial.

Armageddon, 1998 (Michael Bay)


Clássica de "I Don't Wanna Miss a Thing", uma música nunca foi tão ligada ao filme desse jeito, é o mais triste de todos. Com um elenco espetacular composto por Bruce Willis, Ben Affleck (em sua melhor forma), Liv Tyler, Steve Buscemi e Owen Wilson, conta a história de um astronomo que descobre que há um imenso meteoro vindo na direção de nosso planeta e, mais uma vez as Meninas Sup... quer dizer, os Estados Unidos deve mandar uma equipe com os melhores profissionais de cada área para resolver tudo. Em paralelo, conta a história de amor de Grace (Liv Tyler) ,filha de Harry (Bruce Willis) e A.J (Ben Affleck). Com aquele final triste com a música de amor que todo mundo espera, é quase impossível não gostar desse filme.

Star Wars - A Série Completa, 1977 a 2005 (George Lucas)


Escrito, dirigido, criado, inspirado, sonhado, psicografado e teleenviado por George Lucas, Star Wars é a space opera mais famosa do mundo. É genial. George criou um outro Universo, outros idiomas, e fez um épico espacial que lucra até hoje. E talvez meus tataranetos darão dinheiro aos netos de George. Os seis filmes são organizados em duas trilogias. A primeira composta por Episódio IV - Uma Nova Esperança, Episódio V - O Império Contra-Ataca e Episódio VI - O Retorno de Jedi e a segunda, mais recente, composta por Episódio I - A Ameaça Fantasma, Episódio II - O Ataque dos Clones e Episódio III - A Vingança de Sith.

De todos esses, apenas os episódios V e VI não são dirigidos por George. Além desses episódios, há ainda outros que não são considerados episódios como O Especial de Natal de Star Wars, A Caravana da Coragem, A Batalha por Endor e A Guerra dos Clones.

Star Wars é uma obra grande demais para ser discutida em um post dividido. É, sem dúvida, o meu favorito e tema de discussão em redes sociais de todo o mundo. Não conheço ninguém que saiba tudo sobre Star Wars, e também não conheço quem nunca tenha ouvido falar.

Dedicarei um post somente para dividir o que sei, pesquisei e ouvi sobre o filme, mas por ora me contento em falar que se trata de uma das maiores obras que o cinema já viu.

terça-feira, janeiro 19

Aniversariantes do mês

Tá certo. Acabei de inventar. Todo mês vou fazer uma postagem especial sobre os aniversariantes do mês. Na edição de hoje temos duas mega celebridades cinematográficas e que muito acrescentaram nos filmes que criaram / produziram.


Nascido em 3 de janeiro de 1956, Mel Gibson é um dos melhores atores que os Estados Unidos já produziu. Não só ator. Diretor, produtor e roteirista. No início de sua carreira, foi muito comparado a outros atores clássicos como Clark Gable e Humphrey Bogart. Teve seu nome ligado a filmes que se tornaram “a sua cara” como “Mad Max” e “Máquina Mortífera”. Em 1996 ganhou dois prêmios da Academia pelo filme que eu considero sua obra-prima. “Coração Valente” lhe rendeu o prêmio de Melhor Ator e Melhor Diretor.

Como diretor tem quatro filmes: “O Homem sem Face”, 1993; “Coração Valente”, 1995; “A Paixão de Cristo”, 2004 e “Apocalypto”, 2006.


Em 22 de Janeiro de 1875-23 nasce aquele que transformaria o cinema americano. David Llewelyn Wark Griffith, ou simplesmente D.W. Griffith foi um dos diretores americanos que mais contribuiu para a escola que se criou depois dela. Mais conhecido por “Nascimento de uma Nação”, D.W também é responsável por “Intolerance: Love’s Struggle Throughout The Ages” e “América”.

Griffith era tão bom, mas tão bom que a lenda Charles Chaplin o chamou de “o professor de todos nós.”

Morreu em julho de 1948 em Los Angeles.

sexta-feira, janeiro 15

TOP 5 - Filmes Nacionais

Eu costumo fazer críticas bem duras a respeito das produções nacionais atuais, mas faço isso, muitas vezes, sem lembrar dos filmes que já me fizeram tão bem e que jamais saíram de nossas fronteiras. Em homenagem a tais filmes, resolvi fazer um TOP 5 pessoal dos filmes que mais me marcaram e que são, originalmente, brazucas. Claro, não pode faltar a Menção Honrosa:

1 - O Auto da Compadecida, 1999 (Guel Arraes)


De longe é meu filme favorito. Engraçado e comovente, conta com maestria a estória previamente narrada por Ariano Suassuna, um dos maiores dramaturgos e escritores brasileiro. A peça feita em forma de ato é a nossa própria "Auto da Barca do Inferno". Explorando com muita delicadeza a fragilidade agreste e a fé que move e comove o povo, e que se faz como a única chance de salvação de pessoas que nascem fadadas a um destino insólito. A inocência de Chicó e João Grilo, o oportunismo de Eurico, e a fuga de Severino te prendem, te apaixonam e te conquistam.

2 - Carandiru, 2002 (Hector Babenco)


O filme é uma superprodução baseado no livro Estação Carandiru, do médico Drauzio Varella, onde ele narra suas experiências com a dura realidade dos presídios brasileiros em um trabalho de prevenção à AIDS realizado na Casa de Detenção. Mostra uma visão diferente do Massacre do Carandiru e tem um humor ácido que você só encontra nos filmes de Babenco. Tá na minha lista de preferidos porque, além de ser uma produção caprichosa, tem um elenco de primeira e um roteiro arrebatador.

3 - O Homem que Copiava, 2003 (Jorge Furtado)


O filme, ambientado na zona norte da cidade de Porto Alegre, conta a história de André, um jovem operador de fotocopiadoras que precisa de 38 reais para se aproximar de sua vizinha Sílvia, por quem está apaixonado. Para isso, é ajudado por Cardoso, empregado de uma oficina, que topa qualquer coisa por dinheiro. Marinês é uma jovem que explora sua sensualidade para ascender na vida, e acaba se identificando com Cardoso. Lázaro Ramos, Leandra Leal, Luana Piovani e Pedro Cardoso. Não preciso falar mais nada.

4 - Meu Tio Matou um Cara, 2004 (Jorge Furtado)


Outro filme de Porto Alegre. Isso para mim já ganha no quesito "diferencial". É engraçado, é realista, é agradável e é caprichado. Não tem nada demais e diferente do que estamos acostumados a ver normalmente, mas ainda assim, pela história que é contada, é um dos filmes mais agradáveis para ver em cinema.

5 - O Ano em que Meus Pais Sairam de Férias, 2006 (Cao Hamburger)


1970, auge da Ditadura Militar. Uma história original que te comove e encanta. Mauro é um garoto de doze anos, que adora futebol e jogo de botão. Um dia, sua vida muda completamente, já que seus pais saem de férias de forma inesperada e sem motivo aparente. Mauro precisa lidar com sua nova realidade, que tem momentos de tristeza pela situação em que vive e também de alegria, ao acompanhar o desempenho da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970 e fazer novas amizades no seu novo lar. Realista, mostra a alienação da população durante a ditadura e o medo de uma criança que, longe dos seus pais, precisa aprender a andar sozinho.

Menção Honrosa - Lisbela e o Prisioneiro, 2003 (Guel Arraes)


Uma comédia romântica mais brasileira impossível! É uma adaptação da peça de teatro homônima de Osman Lins. Conta a história do malandro, aventureiro e conquistador Leléu e da mocinha sonhadora Lisbela, que adora ver filmes norte-americanos e sonha com os heróis do cinema. Seguindo a mesma linha que "O Auto da Compadecida", Guel se mostra, mais uma vez, um dos diretores mais competentes que temos e nos ajuda a dar mais valor ao agreste brasileiro, palco de tanta comédia e bastidor de tanta miséria.

quinta-feira, janeiro 14

Os melhores filmes que já comprei

Eu sei que parece um post muito pessoal, mas sei que é uma forma de ajudar quem gostar de passar por aqui, gostar de comprar filmes, e estava um pouco sem imaginação.
Roubando a idéia de lista do "5 mais" que tiveram no blog ao lado, vou listar os cinco filmes que mais gostei de comprar e uma menção honrosa.

1 - Pulp Fiction (Quentin Tarantino)


Claro que não dava pra deixar meu filme favorito de lado. Embora muita gente tenha aprendido a gostar de Tarantino e afins de uns 3 ou 4 anos para cá, a minha história com ele começou muito antes. Em 2001, quando eu estava apenas na 6º série, tive o imenso prazer de mexer nos DVDs do meu irmão, e lá estava essa obra prima, que me introduziu no mundo do cinema e se mantém atual até hoje. Assim que comecei a trabalhar, comprei meu próprio DVD e hoje tenho meu mentor espiritual cinematográfico em lugar de destaque em minha prateleira.

2 - O Advogado do Diabo (Taylor Hackford)


Um dos meus clássicos favoritos. Uma história que não é de terror, nem suspense, nem ação, nem aventura. A melhor atuação de Charlize Theron e Keanu Reeves e um dos melhores diálogos que o cinema pôde nos mostrar. Entre essas e outras que tenho que agradecer o fato das Lojas Americanas vender DVDs tão baratos e me proporcionar um dos meus filmes favoritos por menos de treze reais. Além disso, não conheço alguém que não goste do Al Pacino.

3 - Cidadão Kane (Orson Welles)

Além de um excelente curso de jornalismo, a Cásper Líbero te proporciona uma incrível experiência de conhecer e assistir filmes que talvez nunca conheceria ou assistiria. Back in 2006, quando comprei Cidadão Kane, nunca imaginei que teria uma vontade tão grande de ser jornalista. E embora alguns ignorantes e mau leitores pensem que crítico de cinema é cineasta mal sucedido, quero deixar claro que o jornalismo e a sétima arte estão totalmente ligados. E é por isso que esse filme entra na minha lista de memoráveis.

4 - 8 e ½ (Federico Fellini)


Por uma bagatela de R$40,00, fui moralmente obrigada a adquirir esse filme que, apesar da confusão que ele faz em sua cabeça no começo, certamente vai te fazer viajar depois da primeira hora. Um clássico do cinema italiano, 8 e ½ não pode deixar de ser visto. Comprá-lo foi sábio, porque talvez nunca tivesse coragem de assisti-lo se o alugasse. Se é que se tem esse tipo em locadoras. O motivo de gostar tanto dessa película é que podemos ver uma autobiografia
baseada em sonhos do próprio Fellini. Se Tarantino fizesse um desses, eu teria pesadelos pro resto da vida.

5 - Taxi Driver ( Martin Scorsese)


Certamente meu filme favorito de todos o sque Scorsese arquitetou sublimemente, Taxi Driver é um retrato da minha vida. Solitário esperançoso Travis Bickle me faz companhia, pois na maioria das vezes que o assisto, vejo que minha vida não é tão miserável assim. "É amplamente considerado um dos maiores filmes americanos, aclamado por sua performance forte e realismo gritante." Com certeza é o mais americano, realista e moralmente em declínio da minha estante.

Menção Honrosa - Box Stanley Kubrick


O Iluminado, 2001 - Uma Odisseia no Espaço, Lolita e Nascidos para Matar. Se eu fizesse uma outra lista, todos esses estariam presentes. Uma das coleções mais geniais que poderia surgir, comprá-la me fez perceber que, como eu sempre disse, Kubrick foi o cineasta mais versátil que já existiu. Ter um pouquinho de cada gênero desse gênio, realmente foi uma ótima aquisição.

quarta-feira, janeiro 13

Rapidinhas cinematográficas

Depois de 3 filmes da série, o quarto "Homem-Aranha" que tinha previsão para 2011 foi adiado e seu protagonista e diretor foram alterados. Ao que tudo indica, a Columbia Pictures e o Estúdio Marvel decidiram recontar a história do herói e o diretor Sam Raimi e o ator Tobey Maguire nao participarão das novas filmagens. O principal motivo do desentendimento foi o antagonista do próximo filme. Enquanto Sam queria O Abutre como vilão da sequencia, o estúdio queria a Gata Negra, que já teve um relacionamento com o herói nos quadrinhos.

Evo Morales elogia "Avatar", pois segundo o presidente da Bolívia, o filme mostra a resistência ao capitailismo. As declarações de Morales foram publicadas nesta terça-feira (12) pela agência oficial de notícias boliviana, ABI. De acordo com a organização, o presidente assistiu ao filme com sua filha no domingo. Foi a terceira vez ele foi ao cinema na vida. Tá explicado.

Blake Lively, a Serena da série norte-americana “Gossip girl”, fará o papel de Carol Ferris no filme da Warner sobre o herói Lanterna Verde, informa o site da revista “Variety”. Depois do escândalo das mudanças no roteiro de Homem-Aranha, podemos esperar mais uma novidade baseada em HQ. A atriz vai contracenar com Ryan Reynolds, que vai fazer o papel principal em mais uma adaptação dos quadrinhos da DC para o cinema realizada pela Warner.


Mais uma imagem do filme 'Alice do país das maravilhas' foi divulgada pela Disney para aguçar ainda mais a curiosidade dos fãs dos filmes de Tim Burton. A foto destaca a caracterização do ator Johnny Depp - astro constante dos longas de Burton - como o Chapeleiro Maluco. 'Alice' tem também no elenco Helena Bonham Carter, Anne Hathaway e Christopher Lee. O filme estreia no país no dia 2 de abril.


Fonte: globo.com

segunda-feira, janeiro 11

Sherlock Holmes, 2009


Uma releitura do clássico das histórias de detetive, “Sherlock Holmes” se mostra um dos melhores filmes que surgirão esse ano. Guy Ritchie parece ter melhorado muito sua técnica desde sua separação com Madonna. Depois do pouco aclamado “Destino Insólito”, o diretor repete o sucesso que fez com “Jogos, Trapaças E Dois Canos Fumegantes”.

Sherlock Holmes é uma deliciosa surpresa para quem esperava um filme desfigurado e desconjuntado. A atuação de Robert Downey Jr supera qualquer expectativa. Como Sherlock ele desenvolve o papel de um detetive astuto, inteligente e extremamente ágil com as mãos. Seu fiel escudeiro, Dr. Watson brilhantemente executado por Jude Law, tem uma nova roupagem. Ao contrário da imagem convencional que temos do médico, neste filme ele é Jude Law. Acho que não preciso falar mais nada.

A história de detetive criado por Sir Arthur Doyle tem seu conteúdo principal mantido. Sherlock tem dessa vez, um motivo a mais para se preocupar pelas agitadas ruas de Londres. Agora, ele deve lutar contra um misterioso conde que rapta e assassina mulheres londrinas utilizando magia negra e técnicas nada convencionais. O problema de Sherlock não será prendê-lo e sim entender o porquê de seus atos e quem realmente está por trás de tudo isso.

Com cenas de lutas fascinantes, uma arte e fotografia de cair o queixo e músicas envolventes, o Sherlock Holmes de Guy Ritchie tem muito mais o que mostrar e que não está nos livros e filmes tradicionais. Minhas primeiras ***** do ano!