sexta-feira, junho 26

A música chora...


Dia 25 de junho de 2009 - data que entra para o hall das mais tristes no mundo da música. Michael Joseph Jackson, o maior ícone pop do século XX se foi aos 50 anos. O cantor sofreu uma parada cardíaca em sua mansão localizada em Los Angeles por volta do meio dia. Os paramédicos que o socorreram no local encontraram Michael inconsciente e já sem respirar. Às 13:07, horário local (18:07 horário de Brasília) foi anunciada a sua morte. Como era de se esperar, a notícia cruzou o mundo em segundos, pegou de supresa e comoveu a todos.

O mundo musical perde a mais importante figura de sua total expressão e significado de forma inesperada, misteriosa e dolorosa. Dono de um talento indiscutível, que envolve principalmente a dança e a interpretação de suas músicas, Michael quebrou inúmeras barreiras. Gravou discos intocáveis, ensinou a todos o que é um vídeo-clipe de verdade, realizou shows magníficos e imortalizou seus passos nos pés de pessoas do mundo inteiro. Acumulou uma riqueza inigualável chegando a comprar parte dos direitos autorais de músicas dos Beatles - quantia astronômica - e construindo um "quase parque de diversões" na California; o rancho Neverland.

Ao longo dos mais de 40 anos de carreira, Michael Jackson - que dispensa qualquer tipo de "mini-biografia" - misturou doses e mais doses de diversos ingredientes que aos poucos o coroaram com o título que o seguiu até o fim de sua vida, ainda que afastado dos palcos há um bom tempo. Talento, fama, dinheiro e escândalos fazem parte dessa mistura. Sua personalidade excêntrica que começou a ser desenhada assim que deixou o Jackson 5, aliada aos maus tratos sofridos pelo pai, lhe custou caro o bastante para fazê-lo perder parte da sua fortuna com advogados que o defenderam de acusações como as de abuso sexual e pedofilia.

A alternância entre o estado normal e o duvidoso se tornou a marca registrada de Michael em seus derradeiros anos de carreira e talvez tenha sido isso que fez dele o, acima de tudo, artista que era. Michael deixa o mundo após anunciar uma turnê que findaria na sua aposentadoria e que já estava com todos os ingressos esgotados. Infelizmente ele partiu antes de nos apresentar um show de despedida.

Creio que para todo mundo, a notícia, seja ela vinda de qualquer forma, soou como um choque enorme e com certeza ainda gera a frase mais comum desde ontem: "Ainda não acredito!". Michael Jackson já está fazendo falta desde seu primeiro segundo de vida eterna; falta essa que jamais deixará de ser sentida. Para todos os fãs, independente da crença, resta pensar que o paraíso dos astros, que sempre esteve em festa, agora tem um novo integrante - agora possui um Rei.

4 comentários:

Ari disse...

Estava trabalhando, no meio de uma conversa com um cliente, quando vi na televisão da recepção a notícia.

A primeira coisa que pensei foi "deve ser mentira"... logo, os veículos de comunicação trouxeram a confirmação e eu logo pensei: "o mundo a música perde mais um ícone".

Me veio rapidamente à cabeça: "será que o Jr está vendo isso?". Eu tinha certeza de que qdo abrisse o blog, encontraria uma postagem sua sobre o assunto!!! Claro, você jamais deixaria de comentar...

Quando penso que a música Thriller foi lançada em 1982, ano em que nem eramos nascidos e que pra nós é como se estivessemos lá, no primeiro dia em que ela tocou, faz sentido ouvir Michael ser chamado de "o rei do pop"!

Realmente... esse rei fará muita, muita falta...

Coxinha disse...

É só uma jogada de marketing, igual à do Elvis!

Dayane Mendes disse...

Emocionante! Michael mereçe. Tem algo sobre ele lá no meu site tambem, confiram.

Abraços

Quelccy disse...

Adorei seu blog!!! Beijus