segunda-feira, maio 18

62º Festival de Cannes


A Mostra de cinema mais importante e conceituada no mundo tem, esse ano, um papel essencial no lançamento dos filmes mais esperados do ano. Pedro Almodóvar, Quentin Tarantino, Ang Lee são apenas alguns nomes importantes que estão presentes na lista oficial de filmes que serão transmitidos na Mostra.

O festival que existe desde 1946 já premiou brasileiros como Lima Barreto com O Cangaceiro, Terra em Transe de Glauber Rocha e mais recentemente deu o prêmio de melhor atuação feminina a Sandra Corveloni, que atuou em Linha de Passe. Esse ano, a presença brasileira é muito menor. O filme No Meu Lugar, de Eduardo Valente com produção de Walter Salles foi escolhido de última hora para participar do festival.

Outro filme nacional apresentado no festival é À Deriva, de Heitor Dhalia (O Cheiro do Ralo). O diretor conta que acreditava, mas não esperava que seu filme pudesse ser selecionado. E foi. O crescimento do cinema nacional tem espantado a todos, principalmente aos cineastas, que estão vendo seu trabalho ser cada vez mais reconhecido internacionalmente.

Outra surpresa da 62º edição do festival é o último filme de Heath Ledger vivo, The Imaginarium of Doctor Parnassus estraiará no evento dia 22 deste mês. O ator não teve chance de terminar as gravações da película, uma vez que faleceu antes do fim das filmagens. A sequência foi filmada pelo trio Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrel, que interpretam o mesmo personagem.

O já famigerado Quentin Tarantino não poderia ficar fora da premiação que lhe rendeu uma Palma de Ouro em 1994, por Pulp Fiction. Dessa vez o diretor entra na disputa com o filme Inglorious Bastards, que tem um elenco de peso com Brad Pitt, Samuel L. Jackson, Eli Roth e Mike Myers. Outro diretor aclamado pelo público é o espanhol Pedro Almodóvar, que também já levou prêmios em Cannes em 1999 com Tudo Sobre Minha Mãe. Dessa vez, o diretor apresenta com Los Abrazos Rotos.

O festival ocorre entre os dias 13 e 24 de maio.

Um comentário:

Fernando McLane disse...

Dificilmente um filme que brilha em Cannes fica fora do Oscar. fa-to
parabéns pelo ótimo post